CONSCIÊNCIA COLETIVA

O que achamos de “Maze Runner: A Cura Mortal”

em Cinema/Novidades/O que achamos por

Review

Avaliação
8/10
Média
8.0/10

Após passar por um longo adiamento em razão do acidente sofrido por seu protagonista, estreia o último episódio da série distópica iniciada em 2014. Muito foi avançado na construção do universo desde quando os jovens apenas corriam no labirinto para sobreviver e aqui temos a conclusão um tanto obvia da série.

A Cura Mortal chega para fechar a história dando finalização as tramas. Isso é um aspecto bem positivo, todos os personagens ganham um fim e não ficamos com a sensação de que está faltando algo. Para tanto, o filme em suas 2h23m (maior filme da franquia) fornece muita ação desde a cena inicial. A ação é bem utilizada para dar movimento ao filme, os personagens estão sempre se movendo em direção a resolução da história.

O elenco mostra bastante entrosamento em tela, algo que foi construído ao longo de todos os filmes. Aqui tudo parece mais fluído para a maioria dos personagens, Thomas (Dylan O’Brien), Newt (Thomas Sangster), Teresa (Kaya Scodelario), Gally (Will Poulter) e Brenda (Rosa Salazar) têm suas histórias bem aprofundadas e caminham bem para a resolução dos problemas construídos ao longo dos três filmes.

Negativamente, o filme é completamente previsível. Nada visto em tela, em termos de roteiro, surpreende verdadeiramente. A luta entre os Clareanos e a CRUEL atinge seu ápice com muitas acrobacias e efeitos, contudo no que consiste os enigmas da trilogia (principalmente sobre a cura) a resolução é bastante empobrecida. O mesmo acontece quando falamos do destino dos personagens principais, tudo se torna uma repetição de algo já visto em distopias lançadas anteriormente.

A Cura Mortal é um clichê muito bem executado e divertido. Quase não nos damos conta que estamos vendo o esperado dado o tom frenético que o filme toma em certos momentos. Contudo, ao fim, fica evidente como a história foi previsível (o que talvez agrade uma parcela do público) e que algumas respostas não foram suficientemente bem construídas.

Trailer Legendado

Bruno é psicólogo e pesquisador sobre gênero e sexualidade. Escreve sobre cinema e séries, é apaixonado por Nicole Kidman e Lady Gaga. Publica reviews de filme mensalmente | Para segui-lo no Instagram: @BruRobson.

Último post de Cinema

Ir para o Topo
Pular para a barra de ferramentas