CONSCIÊNCIA COLETIVA

A cápsula do tempo e o sentido de legado

em Opinião/Política por

Numa fábrica de cimento na Sibéria, em pleno 2017, foi desenterrada uma ‘cápsula do tempo’ contendo uma mensagem de operários que viveram há meio século. “Passarão anos e vocês, a geração de 2017, substituirão os veteranos da Revolução. Pedimos que cumpram com o legado leninista e fazê-lo tornar-se realidade junto com as gerações maiores”, palavras dos operários no conteúdo da cápsula revelam motivação e desejo em se manter vivo o legado comunista do líder da revolução bolchevique Vladimir Lenin.

Cápsulas do tempo e mensagens do passado poderiam perfeitamente servir como elementos de um filme de ficção científica, mas, neste caso, trata-se de uma descoberta histórica importante, pois traz impressões do passado e vislumbres de um futuro imaginado por operários em 1967, ano do cinquentenário da Revolução de Outubro de 1917.Não apenas importa aos ávidos por assuntos políticos e por ideologias essencialmente populares, mas resgata uma luta travada a tantos séculos e tão necessária nos dias atuais, a necessidade de políticas sociais. Os operários do passado vislumbraram um futuro onde os ideais comunistas defendidos pelo revolucionário russo ainda estariam em pleno vigor, e transmitiram através de uma cápsula do tempo enterrada, uma mensagem de motivação aos “revolucionários” do futuro, nós de 2017.

Acreditavam no “luminoso futuro comunista dos povos do nosso planeta”, futuro qual ainda não alcançamos; as desigualdades sociais gritam todos os dias por onde passamos e vemos nos noticiários pelo mundo. Ironicamente, quis o destino, para os que acreditam, que o ano de desvendar a mensagem dos operários comunistas fosse de acontecimentos políticos importantes por marcarem perdas sociais profundas no Brasil e lutas sangrentas pelo mundo, o Capital ainda é o poder supremo que rege nossa sociedade, por desprazer dos que acreditam no ideal comunista ou dos que lutam por justiça social.

Passado, presente e futuro interligados por uma cápsula do tempo, como se não importasse a distância de séculos separando pessoas com ideais parecidos afim de manter um legado, o da soberania do proletariado, do povo.

Na fábrica da Sibéria, os trabalhadores que leram as palavras de meio século atrás, enterraram a cápsula novamente com nova mensagem para ser aberta em 2042, com a promessa de manter viva a luta por igualdade, encorajando os ‘revolucionários’ do futuro. E para quem não se interessa pela luta de classes, nem ao menos por assuntos políticos, essa descoberta pode fazer pensar sobre o que estamos deixando de legado em nossas ‘cápsulas do tempo’ quando partirmos desse mundo, para que vivemos e trabalhamos durante anos senão para melhorar a geração do presente e as gerações futuras. Refletir sobre nosso pensar e agir já é um ato político, mesmo não tendo a plena consciência disso.

Facebook Comments

Natalia é professora de formação. Escreve sobre política e comportamento. É apaixonada por literatura, arte e educação. Publica mensalmente no dia 7 | Para segui-la no Instagran: @nataliasouzarb

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Último post de Opinião

Ir para o Topo
Pular para a barra de ferramentas