CONSCIÊNCIA COLETIVA

RuPaul’s Drag Race S09E05 – Reality Stars: The Musical

em Séries/TV e Séries por

Neste Recap do episódio lançado no dia 21 de abril, temos mais uma semana de surpresas e reviravoltas, até mesmo improváveis de serem imaginadas pelo grande público. É certo que o programa, agora que é transmitido pela VH1, possui uma audiência muito superior à média que recebia na época de sua exibição pelo canal Logo, do mesmo grupo, a Viacom Media Network. Desta feita, como todo programa de sucesso, as coisas ficaram um pouco mais “artificiais” com o tempo, fórmula que o reality fornece há anos, incluindo uma série de dramas, conflitos e plot twists .Tudo isso capitaneado por uma edição um pouco tendenciosa, afinal, isso tudo é a receita de um reality show de sucesso. E isto o programa consegue atingir com primor, ao repetir os velhos paradigmas que compõem esse tipo de entretenimento.

Começamos o episódio com um “drama” do lip sync anterior, em que a participante Charlie Hides claramente “desiste” no meio da dublagem. Sua adversária Trinity Taylor se questiona o porquê da atitude da queen.

No entanto, em uma entrevista, Charlie Hides revelou que sua dublagem mal elaborada foi fruto de uma costela quebrada em virtude do desafio do episódio 2, em que as queens fizeram acrobacias como Cheerleaders (Guardemos essa informação porque ela será útil adiante). Não só ela, mas outras queens também tiveram problemas, e essa é uma crítica pertinente à impressão que o programa causa em muita gente, de que acaba propagando um “padrão”, mesmo que sua proposta seja inclusiva. Queens old school geralmente são eliminadas logo no início por não se enquadrarem nessa caixinha,  desafios desse tipo exigem um vigor físico que pouco provavelmente uma pessoa na faixa dos 50 anos terá e assim esbarramos no antigo problema, de que essas pessoas que não se encaixam nos padrões programa, acabam por eliminadas, de uma forma ou de outra.

Passamos adiante e, FINALMENTE, temos um mini desafio nessa temporada. Mesmo que não sejam, na maioria esmagadora das vezes, tão relevantes assim, são bastante divertidos e servem para RuPaul direcionar as lideranças dos desafios em grupo para que haja mais drama ( quantas vezes a vencedora do mini desafio não foi a melhor).

O mini desafio Da vez é fazer uma selfie sexy com os pitcrew. Alexis Michelle vence, e RuPaul, muito esperta, lhe dá a oportunidade de delegar papéis para o desafio musical, sendo assim uma forma de destacar a queen ( já que ela foi apenas SAFE) em todos os episódios anteriores e dar vazão à faceta estratégica da drag, que escolheu de forma bastante pensada a seu favor.

Logo vemos mais uma armadilha da edição, de focar no fato que a drag Nina Bonina brown não aceitou o papel que lhe foi designado, sendo sugerida uma mania de perseguição,  inclusive estava torcendo para a queen Shea Coulee, que interpretou o papel que almejava, tropeçasse. Tal instabilidade emocional provavelmente justificará sua possível futura eliminação na temporada.

Também vemos a drag Eureka que agora está usando muletas em virtude de ter se machucado no mesmo desafio que a Charlie Hides quebrou sua costela. Trinity Taylor  questiona a dificuldade que a queen teve para executar o desafio, já que não estavam competindo de forma igual.

Logo temos a sua redenção, quando vai pedir desculpas para as drags Sasha Velour e Valentina pelo fato de ter desrespeitado as mesmas por ter feito brincadeiras com distúrbios alimentares, problema que ambas já haviam sofrido antes. E aqui vemos uma conversa do tipo que, nas temporadas anteriores, não havia muito espaço para isso, para as drags falarem de si mesmas e dos problemas que possuem. Ponto para vocês, VH1.

No desafio da semana, um musical sobre artistas de Reality Shows, com foco na família Kardashian e no trio Linday-Paris-Britney, temos as performances memoráveis de Alexis Michelle ( que finalmente consegue se destacar depois de semanas jogando safe) nos revelando uma “mamager” cheia de energia e totalmente entregue no papel; Peppermint, que interpreta uma Britney Spears cheia de energia e bem caricatural,  no entanto, ela não consegue ultrapassar a linha do bom gosto e nos mostra muito humor sem se levar a sério, assim como a Britney faria.

E, claro, não podemos deixar de destacar a vencedora Shea Coulee, no papel que a Nina Bonina almejava, deu um show à parte, se destacando no papel de guetto girl, que sempre faz sucesso nos desafios do programa ( vide Coco Montrese e Kennedy Davenport que venceram desafios usando essa mesma estratégia). Contudo, isso era o que o personagem exigia, e a queen entregou uma performance à altura.

Dentre as piores da semana, estavam a Nina Bonina Brown, que se sentiuperseguida por parte das outras queens por não ter o papel que queria , demonstrando instabilidade e pouco controle diante das próprias emoções. Entregou uma personagem marcante de uma forma esquecível, preguiçosa, e isso é um ponto extremamente negativo no programa: todas as queens que executaram os desafios de forma desleixada não iam muito longe na competição.

No entanto, as duas que caíram na dublagem foram, de um lado, a ex-participante da Season 8 Cynthia Lee Fontaine, que, até o presente momento, não demonstrou a que veio na competição. Não que tenha, no decorrer dessas semanas, um desempenho ruim; mas foi pouco memorável diante de performers incríveis como Trinity Taylor, Shea Coulee e Valentina. No desafio entregou uma Kim Kardashian que nem de longe lembrava a original, parecendo aqueles antes e depois de pessoas que querem se tornar parecidas com famosos.

E de outro lado, temos Farrah Moan, que também demonstra muita instabilidade e fragilidade  assim como a Nina, mostrando uma performance bastante genérica do ícone Kylie Jenner.

Lipsync de mediano a ruim, e como muitos comentaram nas redes sociais, as duas poderiam ser eliminadas juntas.  Como Meghan Trainor estava como jurada convidada, obviamente seria uma gravação dela, no entanto não houve boa escolha nem nisso, pois a música também não ajudou, cadê Me too, Better, All About the Bass e Dear Future Husband?

Final da dublagem e nos é apresentado um plot twist, típico dos episódios 4/5 do programa, e dessa vez a Eureka, que estava com o joelho machucado em virtude de uma lesão em um desafio, é eliminada por recomendação médica. O programa teve a dignidade de chamá-la para compor a próxima season, já que foi eliminada por um motivo alheio a sua vontade. Desta feita, voltamos ao que eu disse no início, o show acaba por colocar as queens em uma caixinha, na qual a mais adequada é a que consegue se sujeitar bem a tudo, e isso não dá espaço a artistas que não se enquadram nesse padrão. No mais, esperamos que Eureka volte próxima temporada e faça jus ao talento que possui. Até próximo episódio, pessoal!

gor é publicitário e bacharelando em direito com especialização em linguagem jurídica. Escreve sobre música e cultura pop. Apaixonado por cinema, games e drag queens | Para segui-lo no instagram: @igoricael

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Último post de Séries

Ir para o Topo
Pular para a barra de ferramentas