CONSCIÊNCIA COLETIVA

O que achamos: Velozes e Furiosos 8

em Cinema/O que achamos por

Review

Nota de Diogo
7/10
Média
7.0/10

Velozes e Furiosos é aquele tipo de filme de ação em que tudo é megalomaníaco. Corridas, colisões e efeitos especiais ganham doses cavalares de adrenalina para deixar a plateia e os/as amantes do gênero em êxtase. Na oitava edição de uma das franquias de maior suce$$o do cinema, o público vai conferir mais uma produção repleta de brigas, muita testosterona e pouco compromisso com as leis da física. Aliás, é bom lembrar aos/às desavisados/as que a realidade não é foco do filme e os Velozes, além de Furiosos, são praticamente semideuses, quase imortais.

O começo da história se passa em Cuba, mas poderia ser em qualquer outro do lugar do planeta que não iria fazer a menor diferença. Os primeiros takes são sofríveis, mas a bizarrice torna-se algo genuíno em se tratando de Velozes e Furiosos. O panorama só muda com a entrada em cena de Charlize Theron (Cipher). Como o roteiro não é o chamariz do filme, Theron rouba a cena interpretando uma terrorista cibernética que tem um plano maquiavélico de destruição, uma ameaça à paz mundial ZzzzzzZ. Advinha que vai impedi-la? Sim, Vin Diesel e sua família!

Charlize Theron em ação.

Ainda falando de Theron, podemos dizer que ela é o fio condutor do filme e carrega consigo todo o frescor que a franquia precisa para se manter viva. É interessante também pensar que numa produção cheia de tiradas machistas (Sim, eles ainda fazem piadas sobre exame de próstata) onde as mulheres são objetivadas, a Cipher da Charlize transcende esse lugar narrativo, se destacando pela sagacidade, inteligência e truculência com a mão de ferro do terror. Merecem destaques também a participação hilária de Helen Mirren e também a de Tormund (Game of Thrones), o selvagem aprendeu a usar rifle automático e resolveu fazer uma ponta no filme.

Theron  é o fio condutor do filme e carrega consigo todo o frescor que a franquia precisa para se manter viva.

Dwayne Johnson, ou seria o Hulk?, faz seu personagem Hobbs protagonizar cenas surreais de demonstração de força que deixam o filme ainda mais bizarro, mas voltamos a repetir: esse é o universo que Velozes criou e tudo acaba virando uma piada (por vezes fica só na tentativa mesmo). Por falar em humor, talvez a parte mais engraçada do filme seja a interação entre o ator Jason Statham (Deckard) com um bebê e com a já citada Helen Mirren. Não vamos falar de Vin Diesel por motivos de fadiga mesmo. Legenda: cara de mal fazendo biquinho.

Velozes ainda pega carona na morte de Paul Walker citando e homenageando o ator e seu personagem no decorrer do filme (já tá bom de parar né?). É visível também a tentativa de substituir a lacuna deixada por ele com a entrada de Scott Eastwood na história. Vamos aguardar as próximas produções para ver se funciona.

Velozes e Furiosos é o grande lançamento da semana, um blockbuster pronto para arrecadar grandes cifras. A franquia mostra que ainda tem fôlego para outras produções cinematográficas e obras derivadas. Quem for assistir não se prenda aos clichês e as bizarrices do filme, essa é a essência da obra. E como o próprio filme diz: “Se divirtam em Nova York”, apenas!

Último post de Cinema

Ir para o Topo
Pular para a barra de ferramentas